Virtz Adestradora ensina comandos em sinais para pitbull que nasceu surdo

Adestradora ensina comandos em sinais para pitbull que nasceu surdo

Zeus tem oito meses de idade e está sendo adestrado para conseguir entender regras, respeitar limites e até para brincar com outros cães 

  • Virtz | Ana Clara Arantes, do R7

Zeus nasceu surdo e está aprendendo sinais

Zeus nasceu surdo e está aprendendo sinais

Reprodução/Instagram Taiana Didone

Zeus é cão surdo de oito meses da raça pitbull que nasceu na ONG Amigos de São Francisco, em São Paulo, após sua mãe ter sido resgatada de um local que realizava treinamentos para rinha, uma competição ilegal de briga de cães. O animal forte e bonito, que escapou de uma realidade cruel, agora está tendo aulas com a adestradora e CEO do Legião de Patinha, Taiana Didone.

O treinamento ensina comandos em sinais para dar mais qualidade de vida ao animal e também ajudar quem decidir adotá-lo no futuro. "Sem orientação, Zeus não vai entender e descobrir o mundo. É necessário regras e limites de convívio. Adestrar possibilita um entendimento e a inclusão", afirma Taiana.

Zeus é um cão bastante dócil e brincalhão, mas devido sua deficiência auditiva teve que descobrir como viver. Taiana lembra que no começo precisou ensinar como conviver com outros animais, a ter noção do espaço e até a brincar.

"Ensino basicamente os mesmos comandos que ensino para os outros cães. Ele já está aprendendo a sentar, deitar, dar a pata e a vir quando é chamado", destaca a adestradora.

A ideia do adestramento é dar reforços positivos todas vez que o animal responde a um comando. A mão esticada com a palma virada para o animal é um sinal para Zeus ficar parado, um polegar esticado para cima é a autorização para pegar o pestico de prêmio. Agora uma letra "Z" desenhada no ar, é a indicação que o pitbull está sendo chamado. 

Taiana já trabalhou com cães surdos no passado e explica que cada treinamento é particular. Não existe uma língua de sinais universal e cada adestrador pode criar comandos diferente de acordo com o perfil de cada animal. A profissional afirma que os animais surdos podem levar uma vida bem próxima do normal após serem adestrados.

Adoção

A história do pitbull traz à tona o tema da adoção e a importância do ato. As pessoas interessadas em ser tutores de um animal de estimação podem acreditar que adotar filhotes ou animais sem deficiência seja mais fácil, mas Taiana explica que nem sempre essa é a realidade. "Animais idosos ou com algum tipo de deficiência podem ser mais fáceis de lidar e mais calmos".

A adestradora destaca a importância de quem decide adotar um cão ou um gato. "O ato de adotar é lindo. É proporcionar uma casa e uma vida ao animal. Mudar a vida dele. É uma ação muito bonita", conclui Taiana. 

Últimas