Após desastre nuclear, Fukushima quer ser centro de energia limpa

Está em andamento um plano para o desenvolvimento de 11 usinas de energia solar e 10 usinas eólicas em terras agrícolas abandonadas

Cartaz com a frase "Não esqueçam Fukushima" remete ao desastre nuclear de 2011

Cartaz com a frase "Não esqueçam Fukushima" remete ao desastre nuclear de 2011

Thinkstock

Quase nove anos depois de ser o local do segundo pior desastre nuclear da história, atrás apenas de Chernobyl, a cidade japonesa de Fukushima planeja se tornar um centro de energia renovável, de acordo com a Nikkei Asian Review.

Está em andamento um plano para o desenvolvimento de 11 usinas de energia solar e 10 usinas eólicas em terras agrícolas abandonadas e em áreas montanhosas até o final de março de 2024.

Em 11 de março de 2011, um terremoto causou um tsunami com ondas de até 10 metros e explosões na usina nuclear de Fukushima. O desastre na usina nuclear causou a liberação de contaminação radioativa e forçou a fuga de cerca de 140.000 pessoas.

O projeto de 300 bilhões de ienes (aproximadamente R$ 11 bilhões), cujos patrocinadores incluem o Banco de Desenvolvimento do Japão e o Banco Mizuho, estima a geração de cerca de 600 megawatts de energia, o equivalente a dois terços de uma usina nuclear, para abastecer a região metropolitana de Tóquio.