Casa onde morou Portinari mantém viva a obra do pintor brasileiro

A residência em que ele morou durante toda a infância e adolescência é há muitos anos um bem conservado museu na cidade de Brodowski (SP)

Portinari passou a infância na residência em Brodowski

Portinari passou a infância na residência em Brodowski

Eugenio Goussinsky/R7

Infância, memória, mata verde, interior, pássaros, volumosas árvores que cercam três casas amarelas, amplas e conjugadas. Da janela da cozinha, se vê o grande quintal dos fundos, de onde se originam trilhas floridas por entre as construções térreas. As conversas do passado parecem ainda estar em algum lugar.

Leia mais: Quadro de Portinari pode alcançar o valor recorde de R$ 9 milhões em leilão

A mãe fazendo a comida no fogão a lenha, cantando cantigas populares. Antigas. A tarde passa, como uma tela movediça, se consumindo em cores e se derretendo no vento que faz as folhas dançarem.

Sala central tem exposto um retrato da família

Sala central tem exposto um retrato da família

Eugenio Goussinsky/R7

Da rotina na infância, a simplicidade se coloriu na sensibilidade. A inocência ganhou contornos imaginários. O medo deslizou em pinceladas cândidas de um menino que só fez contar sua história: Cândido Portinari (1903-1962).

Portinari pintou sua infância

Portinari pintou sua infância

Eugenio Goussinsky/R7

A residência em que ele morou durante toda a infância e adolescência é há muitos anos um museu na cidade de Brodowski (SP), conjunto de poucas ruas retas e tranquilas, cujo núcleo está em uma grande praça, bucólica, em cuja lateral ficava a residência do pintor brasileiro.

Bem conservado, o local reúne passado e presente. É gerido pela ACAM Portinari (Associação Cultural de Apoio ao Museu Casa de Portinari), em parceria com o governo do Estado de São Paulo.

Evolução do pintor

Enquanto respeitosos passos ressoam no chão de madeira da antiga construção, a reflexão e a admiração vão dando as caras. A sala principal tem um retrato da família.

E uma boa parte das pinturas de Cândido, que reúnem toda a sua evolução como pintor, retrata aquele retrato de outra forma.

Como se elas materializassem, se é que é possível, o olhar do pintor, que na foto é apenas um menino ao lado de seus amados familiares.

Como eternizar a sensação de subir em uma árvore em busca de uma fruta; de brincar descalço na rua; de sentir dor com a pobreza e o sofrimento de vizinhos; com a rigidez da sociedade; de transitar o tempo inteiro na mistura de beleza e tristeza, encanto e desgosto, desejo de vida e consciência da morte?

Todos nós nos questionamos sobre isso. Assim como Portinari, que na pintura encontrou uma forma de tentar acolher essa necessidade.

Tradição e modernidade

Canteiros ajardinados compõem exterior da casa

Canteiros ajardinados compõem exterior da casa

Eugenio Goussinsky/R7

No museu, a tradição se mescla à modernidade.

Numa sala, por exemplo, estão expostos pincéis de todos os tipos utilizados pelo artista, que naquela casa descobriu desde cedo a vocação para a pintura.

Em outra, há uma tela interativa na qual, com tecnologia, o visitante toca nas figuras (quadros do autor) em um jogo da memória.

Trilhas se misturam em meio à atmosfera bucólica

Trilhas se misturam em meio à atmosfera bucólica

Eugenio Goussinsky/R7

Há outro painel que conta, com áudio e imagem, a vida do pintor a cada ano, que pode ser acionado com o toque na tela.

A pintura é mesmo uma viagem entre o que aconteceu, o que se sentiu e o que ficou no ar.

Tudo isso permanece naquela casa, entre aquelas árvores, no alarido dos pássaros.

E no encanto dos quadros.

Vocação para a arte

Filho dos imigrantes italianos Giovan Battista Portinari e Domenica Torquato, Portinari saiu de lá ainda adolescente.

Quando tinha 14 anos de idade, sem ter terminado os estudos, acompanhou uma trupe de pintores e escultores italianos que atuavam na restauração de igrejas.

Portinari sempre voltava ao local

Portinari sempre voltava ao local

Eugenio Goussinsky/R7/Museu Casa de Portinari

E deslanchou a ponto de, com 16 anos, mudar de São Paulo para o Rio de Janeiro, onde passou a ter contato com a vanguarda artística brasileira, aprendeu e se descobriu, tendo ido estudar na Escola Nacional de Belas Artes.

Vieram a fama, os desafios, as viagens. Ele rodou o mundo, conheceu Nova York, criou o mural que até hoje decora um salão importante da ONU, ganhou prêmios, representou o Brasil, se apaixonou pela jovem uruguaia Maria Martinelli (1912-2006) em Paris.

Sem nunca deixar de voltar à terra natal que, de certa maneira, era representada em cada um de seus traços mundo afora.

A pintura de Portinari, um dos ícones do Modernismo, também tinha um cunho social, com o objetivo de denunciar e combater desigualdades.

A serviço da humanidade

A missão de pintar o envolveu tanto que, mesmo ciente de que o chumbo das tintas o estava intoxicando, ele prosseguiu.

Ele morreu em decorrência desta intoxicação, mas viveu em função da pintura.

Era a forma de Portinari desintoxicar as suas angústias, purificar as suas vivências. Expor suas reminiscências. Desenhar sua existência.

Elevá-las a um patamar tão alto e profundo que, a serviço da humanidade, revelou a capacidade de cada ser humano de se eternizar ao se realizar em uma vocação. Mesmo estando ausente, no lugar onde tudo começou.

Filhotes de leão nascem em zoo que preserva espécies em extinção