Virtz Ceia Solidária: população de rua celebra com prato cheio pelo Brasil

Ceia Solidária: população de rua celebra com prato cheio pelo Brasil

A ação distribuirá 145 mil refeições em quase 1.200 cidades, beneficiando cerca de 110 mil pessoas; haverá serviços gratuitos, como manicure e corte de cabelos

  • Virtz | Do R7

Refeições serão servidas a pessoas em situação de rua e desabrigadas do país

Refeições serão servidas a pessoas em situação de rua e desabrigadas do país

Divulgação/Unicom

Ao longo do mês de dezembro, pessoas em situação de rua e desabrigadas por todo o país poderão ter uma refeição farta e caprichada. É a Ceia Solidária, ação realizada anualmente pelo programa social Anjos da Madrugada, mantido pela Igreja Universal do Reino de Deus. A estimativa é que sejam distribuídas 145 mil refeições — com sabor especial — em todos os 26 estados e no Distrito Federal, alcançando cerca de 110 mil cidadãos em situação de vulnerabilidade. O evento terá início em horários variados pelo Brasil: desde a manhã até as 20h.

Dados de junho de 2023 do CadÚnico, organizados por pesquisadores da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), revelam que o Brasil tem hoje uma população de rua de quase 216 mil pessoas — e o número subiu um pouco nos últimos meses. Isso significa que cerca de um em cada mil brasileiros não tem onde morar. Um estudo do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), divulgado em 11 de dezembro deste ano, traz uma realidade ainda pior: seriam 227 mil em situação de rua — e essa população teria crescido quase dez vezes na última década.

Voluntários ajudam o evento a acontecer

Voluntários ajudam o evento a acontecer

Divulgação/Unicom

Já um relatório publicado em julho deste ano pela ONU (Organização das Nações Unidas) indica uma piora do Brasil a respeito da fome: o país havia saído do chamado Mapa da Fome em 2014 e 2015, mas voltou a ele em 2016 e, de lá para cá, só piorou. Em 2022, mais de 70 milhões de brasileiros — ou quase um terço da população — viviam em estado de insegurança alimentar moderada; ou seja, não tinham certeza se fariam a próxima refeição.

Sabor e saúde

Nas noites de 7 a 26 de dezembro, a fome não estará no mapa em quase 1.200 cidades por todo o Brasil. Pelo contrário: o Anjos da Madrugada deve promover uma ceia farta, com um cardápio diferenciado. Além de carnes, frutas, sucos e refrigerantes, também haverá sobremesas e a entrega de panetones. Em todo o país, ainda serão doados 20 mil kits higiênicos, com produtos como sabonete e pasta de dente. E, a depender da disponibilidade em cada local, os voluntários distribuirão roupas, calçados e cobertores.

Em 19 de dezembro, um dos locais da ação em São Paulo será a avenida Prefeito Passos, 88, no bairro da Liberdade — mais conhecido como “o lugar debaixo do viaduto do Glicério”. Nesse evento em particular, que promete ser muito movimentado, a população carente poderá aproveitar a “carreta do banho”. A tecnologia permite aos moradores de rua banhar-se de forma prática e gratuita, com a promoção de saúde e dignidade.

Ação será realizada entre 7 e 26 de dezembro

Ação será realizada entre 7 e 26 de dezembro

Divulgação/Unicom

Responsável pela Ceia Solidária, Filipe Santos destaca que, além da noite de mesa cheia e das doações, 45 mil voluntários — entre eles profissionais de estética e da saúde — espalhados por todo o país oferecerão serviços gratuitos à população de rua: "Entre as possibilidades, haverá corte de cabelo, aferição de pressão, teste de glicemia, curativos, manicure e atendimento jurídico", relata. Filipe reflete que, para lidar com a solidão, muitos moradores de rua se afundam em vícios. E a ação social vem para contrapor essa realidade: “A Ceia Solidária tem a relevância de mostrar para cada beneficiado o seu devido valor. Que não estão sozinhos”, declara.

Refeição para repetir

No ano passado, a Ceia Solidária contou com pessoas como Kátia Rondon, de 54 anos. Ela se ofereceu como voluntária e ajudou o evento a acontecer — e fala como foi a experiência: “A oportunidade de trazer para essas pessoas um momento de amor, respeito e dignidade não tem igual. Muitas vezes, elas são esquecidas e desprezadas até por suas próprias famílias”. Kátia afirma que aproveitou os momentos que teve para ouvir os desabrigados e oferecer um abraço, uma palavra gentil e um sorriso.

Daniel Cristian Silva, de 49 anos, também esteve na ação de 2022. Ele foi beneficiado pela Ceia Solidária em São Paulo e conta o que achou: “Gostei muito. Fiquei surpreso ao ver o lugar debaixo do viaduto do Glicério transformado em restaurante, com mesas bonitas, tudo arrumado com cuidado e dedicação dos voluntários”, lembra. Daniel compartilhou seu contentamento ao receber, em outro momento, o convite para a Ceia Solidária de 2023. “Fiquei muito feliz. Estarei novamente no evento deste ano e vou levar mais dois amigos”, conclui, agradecido.

Últimas