“Como marca líder, temos que acelerar a mudança”, diz diretor de Garnier no Brasil sobre o Green Beauty

A iniciativa da marca lançada em todo o mundo já chegou ao Brasil e alguns produtos já foram desenvolvidos de forma sustentável

Juan Pablo Dubini, diretor de Garnier no Brasil, acredita que Garnier é responsável por insipirar a indústria da beleza e seus consumidores a agirem de forma mais sustentável

Juan Pablo Dubini, diretor de Garnier no Brasil, acredita que Garnier é responsável por insipirar a indústria da beleza e seus consumidores a agirem de forma mais sustentável

Reprodução/Garnier

Nesta quarta-feira (16), Garnier lançou a iniciativa Green Beauty em uma transmissão ao vivo, direto de Paris. Adrien Koskas, presidente global de Garnier, e um time de especialistas compartilharam as metas de sustentabilidade da marca e os planos para a diminuição dos impactos da produção no meio ambiente até 2025. Mas, afinal, o que é Green Beauty?

Em entrevista exclusiva, Juan Pablo Dubini, diretor de Garnier no Brasil, explica que trata-se de uma iniciativa global da marca com abordagem completa em relação a sustentabilidade. “O objetivo é transformar toda a cadeia de valor de Garnier, reduzindo ou erradicando o impacto ambiental [da produção]”, diz o diretor.

As principais metas da ação, segundo Dubini, falam sobre o uso de plásticos e embalagens, produtos e fórmulas, fábricas e fabricações e fornecimento solidário. Até 2025, Garnier usará zero plástico virgem nas embalagens, o que, segundo a marca, economizaria 37 mil toneladas de plástico a cada ano. Eles também pretendem migrar suas embalagens para as reutilizáveis, recicláveis ou compostáveis. Quando o assunto é o produto em si, Garnier afirma que 100% dos novos produtos terão um perfil ambiental até 2025.

No Brasil, segundo Dubini, a estratégia já começou. “Esse ano, 100% dos lançamentos tiveram a ‘pegada sustentável’ melhorados. Os esforços de otimização das embalagens estão acontecendo, como por exemplo, em relação a nossa água micelar. Atualmente 20% da embalagem da água micelar Garnier é feita com plástico reciclável, o que representa nesse exemplo, menos 3,4 toneladas de plásticos produzidos em 2020”, diz o diretor.

Leia mais sobre a estratégia Green Beauty de Garnier

Nas fábricas, o plano de Garnier é que as instalações industriais sejam 100% neutras em carbono até 2025, e para isso, aposta na energia renovável. “Nossas três fábricas waterloop economizaram mais de 8 milhões de litros de água em 2019 e inspiraram muitas outras fábricas em todo o mundo”, explica Dubini.

A marca também está se comprometendo a impactar a sociedade. O diretor de Garnier explica que, além de reduzir o impacto ambiental, a marca se posicionou para capacitar comunidades com o programa Fornecimento Solidário, que se preocupa com o cultivo da obra-prima. Dubini confirma o plano da marca: “Até 2025, Garnier terá capacitado mais de 800 comunidades em todo o mundo”.

Os desafios
O executivo compartilha ainda que o principal motivador dessa mudança de pensamento de Garnier é a necessidade de causar impacto positivo na indústria de beleza e também nos consumidores, para que todos assumam atitudes mais sustentáveis. “Os desafios são proporcionais às oportunidades e ao impacto positivo. Além disso, acreditamos que, como marca líder, temos a responsabilidade de inspirar toda a indústria e acelerar a mudança”, avalia o diretor de Garnier.