Cidades promovem ações criativas para ajudar alunos e pais em casa

Itapevi lança cartão 'Bolsa Merenda' e Osasco distribui uma cesta básica mensal para cada aluno da rede pública. Conheça outras iniciativas

Cartão do 'Bolsa Merenda' de Itapevi terá crédito mensal de R$ 100

Cartão do 'Bolsa Merenda' de Itapevi terá crédito mensal de R$ 100

Reprodução

Grupos sociais e prefeituras de algumas cidades brasileiras estão unindo criatividade e boa vontade para ajudar famílias e crianças com aulas suspensas durante na crise do coronavírus.

Em Itapevi, na região metropolitana de São Paulo, a administração municipal lançou, em regime de urgência, o cartão de compras Bolsa Merenda. O programa, aprovado pela câmara dos vereadores, prevê o pagamento de R$ 100 mensais por aluno da rede pública de ensino, para compras no comércio da cidade, enquanto durar a quarentena.

Afastados das aulas, os estudantes não estão fazendo refeições na escola. Muitos pais em todo o Brasil têm grande dificuldade para alimentar seus filhos todos os dias sem as refeições oferecidas nas escolas.

Os pais ou responsáveis pelas crianças matriculadas na rede pública de Itapevi começaram a receber o cartão com o crédito dos primeiros R$ 100 nesta sexta-feira (4). “A gente se preocupa muito com a segurança alimentar das nossas crianças, que outrora comiam a merenda nas escolas e hoje estão desassistidas”, disse o prefeito Igor Soares em vídeo divulgado nas redes sociais.

A doméstica Márcia Maria dos Santos, 56, moradora do bairro Jardim Rosemeire, em Itapevi, comemorou o recebimento, logo no primeiro lote, de um cartão com R$ 200, para os netos Pedro e Lucas. “A merenda dos meninos está garantida. É mais uma ajuda que chega num momento importante”, disse ela ao R7.

Em Osasco, na Grande São Paulo, a prefeitura começou a distribuir, também nesta sexta-feira (4), cestas básicas para famílias de mais de 70 mil alunos da rede municipal de ensino. Pais com mais de um filho matriculado receberão mais cestas, na proporção de uma para cada criança. As escolas de Osasco irão organizar o calendário de distribuição e informar às famílias dia, horário e local em que as cestas serão entregues.

O combate à crise motiva a união de prefeitura, empresários, moradores e organizações sociais em várias cidades. Em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, o Fundo Social de Solidariedade adaptou seu banco de alimentos para recolher doações de grupos assistenciais e empresariais.

Sem a necessidade de levar alunos, motoristas de vans escolares de escolas públicas e privadas de São Bernardo estão transportando as doações. Uma organização forneceu belo carregamento de um produto precioso nesses tempos: duas mil pedras de sabão, feitas com óleo de cozinha reciclado.

Em São Caetano do Sul, também no ABC, uma montadora de veículos comprometeu-se a promover o reparo de, no mínimo, três mil respiradores mecânicos de hospitais públicos, utilizados por pacientes infectados com o coronavírus. Os trabalhadores recebem treinamento do Senai para efetuar os consertos. Pelo menos três mil equipamentos deverão ser reparados até o final da ação.