Com ajuda assistencial, mãe e filha conseguem estudar juntas

SOS Famílias do Sertão, que atua no Nordeste, apóia a família de Necilenia Nascimento, que trabalha na roça, mas consegue aprender com a filha

Necilenia Nascimento de Araújo Pereira e a filha, Marjorie

Necilenia Nascimento de Araújo Pereira e a filha, Marjorie

Divulgação/ SOS Famílias do Sertão

Necilenia Nascimento de Araújo Pereira, de 51 anos, trabalha na roça. Faz parte de seu trabalho colher hortaliças, como o coentro, e montar os maços que serão vendidos para o público.

Ela mora no sertão nordestino, numa casa própria, com o marido, Francisco Souza Pereira, de 45 anos, que também trabalha como agricultor, sem carteira assinada, e a filha, Marjorie, de 9 anos. Além de receber o Bolsa-Família, Necilenia também conta com o auxílio do SOS Famílias do Sertão, que apóia famílias em situação de vulnerabilidade social, em especial neste momento de pandemia do novo coronavírus.

Ainda não contribuiu? Faça sua doação ao SOS Famílias do Sertão para que a ajuda continue chegando às pessoas que precisam

A menina Marjorie recebe assistência social e, por conta disso, estuda em uma escola proveniente dessa ajuda, que contribui não só com a educação e formação da menina, mas, também, com sua alimentação. "Lá ela chega cedinho, toma seu cafezinho, depois almoça e faz o lanche antes de ir para casa", diz Necilenia. 

"Nós duas estudamos juntas. Lá o dever é muito difícil, muito diferente da escola pública, a qualidade é maior. Quando ela começou lá foi muito difícil para mim, porque eu não sabia o dever. Mas depois que ela passou mais tempo na escola, se desenvolveu mais e agora ela já me explica como faz e eu vou ajudando. As coisas que ela aprende lá ela ensina para mim. A gente estuda junto, estou aprendendo com ela", revela Necilenia.

Vida na roça

A vida da família não é fácil, especialmente porque a renda obtida pelo casal com o trabalho não chega a um salário mínimo. Porém, com a ajuda do SOS Famílias do Sertão, Necilenia e seu marido estão conseguindo se sustentar.

"A gente vive trabalhando na roça, eu e meu marido, vamos levando a vida", diz Necilenia. Tem dias que ela consegue receber R$ 6 pela lida com coentro e alface.

Depois que Marjorie conseguiu uma vaga numa das escolas que assiste as famílias da região, a vida da família melhorou. "Foi uma bênção, porque eu saía para trabalhar, minha filha ficava sozinha dentro de casa, eu levava ela pra escola, ia para o trabalho, que era pertinho, e voltava aqui para ver se ela estava bem", conta Necilenia.

"Agora com a escola mudou muito, porque eu saio para trabalhar tranquila, ela fica o dia inteiro lá, faz as refeições, e eu sei que ela é bem cuidada", diz a mãe. "Marjorie não vê a hora de acabar a pandemia para ela voltar para a escola."

Conheça mais sobre o SOS Famílias do Sertão e saiba como fazer sua doação.