Como a Nova Zelândia está vencendo o novo coronavírus

Com estímulo ao distanciamento sociai, campanhas para as pessoas ficarem em casa e incentivos financeiros, país registrou apenas uma morte 

Governo e oposição defenderam medidas

Governo e oposição defenderam medidas

Reprodução/YouTube/The Atlantic

A Nova Zelândia, com 4,8 milhões de habitantes, está vencendo o combate contra o novo coronavírus. O país teve o primeiro caso confirmado da doença em 28 de fevereiro e, desde então, registrou apenas uma morte.

Saiba como se proteger e tire suas dúvidas sobre o novo coronavírus

O pequeno país conseguiu conter rapidamente o vírus e parece ter uma chance real de eliminá-lo completamente, informou reportagem do jornal norte-americano Washington Post.

Em 7 de abril, segundo o Ministério da Saúde da Nova Zelândia, o país registrou 1.160 casos confirmados e suspeitos no país e um óbito. Mais pessoas se recuperaram nas últimas 24 horas (65) do que as que foram infectadas (54), sugerindo que o surto local está em declínio.

A chave do sucesso tem sido uma estratégia direta e dupla, liderada pela primeira-ministra Jacinda Ardern.

No início de março, de acordo com o The Washington Post, o país começou a instruir todos os visitantes internacionais (normalmente, recebe 4 milhões de turistas por ano) a se isolarem por 14 dias.

Em 19 de março, fechou completamente suas fronteiras para visitantes internacionais.

Além dessas medidas, o governo do país foi firme na campanha para as pessoas ficarem em casa desde o início da crise e estimulou o distanciamento social a partir de 23 de março.

Escolas e serviços não essenciais foram fechados e ficaram proibidas atividades ao ar livre.

Os neozelandeses (incluindo imigrantes) também receberam incentivos financeiros  do governo, para evitar as perdas com a falta de trabalho.

De cordo com o Washington Post, outra importante contribuição foi que os rivais políticos da administração não tomaram nenhuma medida para minimizar a crise.

A Nova Zelândia planeja manter medidas rígidas de distanciamento social por pelo menos mais um mês.