Coronavírus

Virtz Confeiteiro humilhado por cliente ganha R$ 110 mil de vaquinha online

Confeiteiro humilhado por cliente ganha R$ 110 mil de vaquinha online

O pintor Rafael Marciano começou a fazer doces e salgados para pagar aluguel e sustentar a família depois de ficar sem serviço durante a pandemia

  • Virtz | Do R7

Rafael faz salgados e doces com apenas uma mão

Rafael faz salgados e doces com apenas uma mão

Reprodução/Facebook Rafael Daiany

 A deficiência física nunca foi motivo para Rafael Marciano, 32 anos, deixar de trabalhar e sustentar a família. Porém, em meio à pandemia do coronavírus, ele se viu sem trabalho e renda para pagar o aluguel e sustentar a mulher e seus três filhos. 

Reprodução/Facebook Rafael Daiany

Resolveu, então, investir nos seus dotes culinários e começou a produzir doces e salgados e divulgar na rede social Facebook.

Para atrair a freguesia, usou o preço como diferencial: cobrava R$ 2 a unidade de doce e salgado. Porém, pedia uma pequena contribuição de R$ 1 para poder comprar utensílios, como liquidificador e batedeira, para ajudar na produção.

A ajuda seria para ele poder produzir mais unidades de doces e salgados. Por conta da deficiência - ele não tem a mão esquerda -, a produção de Marciano é mais lenta, e os equipamentos o ajudariam a agilizar o processo.

Um dia, recebeu uma ligação às 9h para a entrega de 64 salgados até as 11h no mesmo dia. Ele não conseguiu cumprir o prazo e foi levar a encomenda apenas às 13h.

Ao chegar na casa do comprador, Marciano disse que foi xingado e teve de levar os salgados de volta.

Chateado, ele fez um desabafo emocionado na internet sobre o caso e falou sobre as dificuldades que vem enfrentando na pandemia. Veja abaixo:

Desabafo de Rafael após cliente recusar a sua entrega dos 
salgados

Desabafo de Rafael após cliente recusar a sua entrega dos salgados

Reprodução/Facebook Rafael Daiany

Mesmo com o sufoco financeiro que a família está enfrentando, o pintor reverteu a tristeza em uma boa ação e distribuiu os salgados para moradores de rua de sua cidade, Marília, no interior de São Paulo.

O que ele não contava é que sua história ganharia grande repercussão e teria um final feliz. Seu post viralizou e, emocionados, internautas criaram uma vaquinha virtual para ajudá-lo.

Até o momento a vaquinha arrecadou quase R$ 110 mil.

Últimas