Empresário cria crowdfunding para projeto social em Heliópolis (SP)

Iniciativa visa gerar renda, educação e desenvolvimento em comunidade afetada por isolamento social durante a pandemia do novo coronavírus

Heliópolis terá projeto social para apoiar a comunidade durante a pandemia

Heliópolis terá projeto social para apoiar a comunidade durante a pandemia

Eduardo Enomoto/R7

O empresário Marcus Massarenti, idealizador do Movimento Happiness, anunciou nesta quinta-feira (16) o lançamento de um crowdfunding - modelo que permite a indivíduos ou empresas financiar projetos por meio de doações coletivas - para arrecadar recursos que devem ser revertidos em geração de renda, educação e desenvolvimento social na comunidade de Heliópolis, na zona sul de São Paulo, durante o enfrentamento da crise motivada pela pandemia do novo coronavírus.

"Queremos atacar a situação que envolve as necessidades mais urgentes, como alimentação, remédios e itens de higiene pessoal. Não podemos depender apenas do poder público, porque o governo não consegue alimentar toda a população mais pobre. Temos que agir rapidamente, antes que o caos se instaure nas comunidades e aconteça uma hecatombe social nas favelas”, enfatizou o empreendedor.

Leia também: Empresário cria hamburgueria para atender comunidade carente em SP

O dinheiro das doações obtidas pela ação "Semeando em Heliópolis", criada pelo Movimento Happiness - que conecta empresários às iniciativas sociais - será gerenciado na plataforma E-Solidar por intermédio de uma ONG. O crowdfunding, que pode ser acessado pelo site happiness.esolidar.com/pt/feed, terá um aporte de R$40 mil e a expectativa é que alcance R$200 mil.

Masserenti que criou hamburguerias com ação social nas zonas sul e leste de SP

Masserenti que criou hamburguerias com ação social nas zonas sul e leste de SP

Movimento Happiness

O interessado em contribuir com o projeto deverá fazer um cadastro. Assim, será inserido em uma de rede social, pela qual poderá acompanhar a movimentação da ação social. "Estamos pensando na condição das pessoas após o isolamento social, que será ainda mais grave do que a atual", acrescentou Marcus Massarenti.

 

O grupo responsável pelo projeto garante que haverá fiscalização e transparência sobre o gerenciamento do dinheiro arrecadado para as obras sociais.

"Todos os recebimentos serão identificados e processados em um banco de dados, que passará por acompanhamento. Também iremos verificar a real necessidade das famílias em situação de risco e iremos destinar os aportes conforme as evidências encontradas pelos líderes das ONG. Além disso, apresentaremos em nosso site todas as informações sobre o destino dos recursos, com total transparência e acessibilidade às informações", complementou o empresário.