Empresas criam rede voluntária para recuperação de respiradores

Mais de 3,6 mil ventiladores pulmonares não estão mais em operação porque precisam passar por manutenção ou porque já foram descartados

Técnico trabalha na fabricação de componentes para um respirador

Técnico trabalha na fabricação de componentes para um respirador

Alejandro García/EFE

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) formou parceria com dez empresas (ArcerlorMittal, Fiat, Ford, General Motors, Honda, Jaguar Land Rover, Renault, Scania, Toyota e Vale) para fazer a manutenção de respiradores voltados para o atendimento de brasileiros infectados pelo novo coronavírus. A indústria estima que até dez pacientes podem ser atendidos por cada aparelho recuperado.

Segundo a Associação Catarinense de Medicina e a Lifeshub Analytics, mais de 3,6 mil ventiladores pulmonares não estão mais em operação porque precisam passar por manutenção ou porque já foram descartados.

Os principais fabricantes de respiradores do Brasil não têm estoque do equipamento para entrega imediata e devem levar ao menos 15 dias para fornecer uma nova leva de aparelhos para os hospitais. Os aparelhos são essenciais para a manutenção da vida de pacientes com quadros graves de infecção pela covid-19.

A corrida para aquisição de respiradores também criou disputa entre o governo federal, Estados e municípios. Hospitais da rede privada também reclamam que ordens desencontradas para recolhimento de produtos ameaçam inviabilizar o atendimento de pacientes - além de expor equipes de saúde à contaminação por falta de insumos.

Pontos de entrega

O objetivo da iniciativa do Senai com as empresas é que os próprios hospitais enviem os equipamentos que necessitam passar por reparação. Os pontos de entrega estão espalhados por 13 Estados: Bahia, Ceará, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

"Esta é uma agenda extremamente importante dado o cronograma crítico da covid-19 e a necessidade determinante de ter o maior número de equipamentos com prontidão, em funcionamento", disse o diretor-geral do Senai, Rafael Lucchesi.