Escolas por Todos arrecada doação de alimentos para comunidades no Rio

Campanha conta com apoio de diversas marcas da educação e acumulou 472 cestas para famílias afetadas economicamente pelo Covid-19

472 cestas foram arrecadadas em uma semana de campanha

472 cestas foram arrecadadas em uma semana de campanha

Divulgação

Marcas de educação se uniram na campanha Escolas por Todos e arrecadaram 472 cestas de alimentos, num período de uma semana, para doarem a famílias de comunidades do Rio de Janeiro afetadas economicamente pelo coronavírus. 

Veja também: Em semana decisiva na luta contra a covid-19, Rio tem só 3 leitos de UTI

Durante as aulas online, são trabalhados conceitos como colaboração e cidadania em reflexões sobre o cenário da pandemia.

Alunos, colaboradores, redes de escolas parceiras espalhadas pelo país e toda a sociedade podem apoiar a iniciativa. Para participar, basta acessar o site Escolas Por Todos e saber mais como ajudar. Pelo portal é possível acompanhar todo o progresso da campanha, toda a prestação de contas e conferir detalhes sobre a entre das doações em liderança pelo Instituto da Criança.

Além disso, quem contribuir pode deixar uma mensagem para as famílias que irão receber os itens. De acordo com o presidente do Instituto, o objetivo é contribuir com famílias mais vuneráveis nesse período.

“Nesse momento, entendemos que o mais importante a fazer, além de nos cuidarmos, é nos unirmos. Temos uma relação próxima com o Rio, onde fica a nossa sede, e um dos locais que vai enfrentar os maiores desafios no combate a esse vírus", afirmou ele.

Com o objetivo de engajar mais pessoas, a iniciativa está aberta ao apoio de outras instituições de ensino. Uma semana após o lançamento, a Escolas por Todos fez a primeira entrega de cestas, para 125 famílias cadastradas em centro social na Baixada Fluminense do Rio. Para que o impacto fosse ainda maior, os itens foram comprados em comércio local.

O impacto econômico cresce nas comunidades desde o início do isolamento e segundo pesquisa Data Favela/Instituto Locomotiva, 86% dos moradores de favela já têm ou terão dificuldade para comprar alimentos devido à queda de receita das famílias.

*Sob supervisão de Odair Braz Jr.