Virtz Filho sofre preconceito por dançar e pai cria ONG para apoiá-lo

Filho sofre preconceito por dançar e pai cria ONG para apoiá-lo

Em vez de ficarem chateados com as provocações homofóbicas dos colegas, pai e filho agiram de forma positiva contra o preconceito

Pai criou ONG para apoiar seu filho e outras crianças que lidam com preconceito

Pai criou ONG para apoiar seu filho e outras crianças que lidam com preconceito

Reprodução/Instagram danceonchicago

Greg Long viu seu filho, Jimmy Long, de 14 anos, sofrer com comentários preconceituosos de colegas de sala de aula em Chicago, nos Estados Unidos, após uma apresentação de dança em sua antiga escola. O garoto, que dança de desde os 6 anos de idade, não se abalou com piadas homofóbicas e juntou-se ao seu pai para criar a ONG (organização sem fins lucrativos) #DanceOn, contra o preconceito. 

"Eu pude ouvir como crianças de 8 ou 9 ou 12 anos processam esse tipo de intolerância e homofobia", contou o garoto, hoje com 16 anos, para o TODAY. "Em vez de ficar com raiva, falei com meu pai e decidimos fazer uma camiseta para eles."

A organização anti-bullying #DanceOn oferece apoio, bolsas de estudo e um senso de comunidade para dançarinos. Eles já venderam milhares de camisetas e ajudam financeiramente os alunos que precisam de auxílio. A ONG também da aulas e cria eventos com dançarinos profissionais do sexo masculino, que muitas vezes compartilham suas próprias histórias de sofrer bullying enquanto cresciam.

Todos os alunos e alunas podem coreografar vídeos de dança conceituais que amplificam a mensagem de aceitação e tolerância. 

Últimas