Fórmula 1 promete eliminar plástico e se tornar ‘carbono zero’ até 2030

'A F-1 já pioneira em tecnologias e inovações que contribuíram para a sociedade e combateram as emissões de carbono', disse CEO da categoria

Britânico Lewis Hamilton conquistou o hexacampeonato mundial de Fórmula 1

Britânico Lewis Hamilton conquistou o hexacampeonato mundial de Fórmula 1

Hamad I Mohammed/Reuters - 1.12.2019

Principal categoria do automobilismo mundial, a Fórmula 1 está de olho no futuro do planeta. Antes mesmo do final da temporada que terminou com o hexacampeonato de Lewis Hamilton, o CEO, Chase Carey, prometeu eliminar o plástico e se tornar ‘carbono zero’ até 2030.

Além de eliminar a emissão de carbono e fazer com que as equipes adotem a energia renovável, Carey planeja mudanças de logística para a categoria. Em entrevista, o executivo apontou os gastos nos transportes como outro fator preponderante na poluição ambiental.

“Nos seus 70 anos de história, a F-1 foi pioneira em inúmeras tecnologias e inovações que contribuíram para a sociedade e combateram as emissões de carbono. Desde a aerodinâmica inovadora ao design dos freios, o progresso liderado pelas equipes beneficiou centenas de milhões de carros de rua”, disse Carey.

Apesar da eliminação de carbono, o dirigente da F-1 deixou bem claro que a categoria não se tornará elétrica, como a F-E, que estreou na temporada 2014/2015. As unidades híbridas de potência, com usos de combustíveis fósseis e recuperação de energia, continuarão sendo desenvolvidas.

Curta a página de Esportes do R7 no Facebook

Schumacher pediu segredo sobre estado de saúde, revela mulher