Idosa de 101 anos sobrevive a gripe espanhola, câncer e covid-19

A centenária Angelina Friedman, que vive nos Estados Unidos, pode dizer que é uma vencedora após derrotar duas pandemias e se curar de um câncer

A idosa de 101 anos mora em Nova York, nos Estados Unidos, que está sendo bastante afetado pela pandemia do novo coronavírus

A idosa de 101 anos mora em Nova York, nos Estados Unidos, que está sendo bastante afetado pela pandemia do novo coronavírus

EFE/Justin Lane

Angelina Friedman, de 101 anos, pode se considerar uma vencedora: depois de sobreviver à pandemia de Gripe Espanhola e se curar de um câncer, a idosa também conseguiu derrotar a covid-19.

Ela mora em uma casa de repouso ao norte de Nova York, nos Estados Unidos. Esse tipo de abrigo para idosos tem sido fortemente atingido pela pandemia provocada pelo novo coronavírus, mas Angelina conseguiu sair vitoriosa após ser diagnosticada com a covid-19 no mês passado.

Os idosos são a população mais vulnerável à doença e, nos Estados Unidos, muitos deles têm sido vítimas da covid-19, especialmente aqueles que moram em casas de repousos e abrigos para a terceira idade.

A família de Angelina afirma que a idosa sobreviveu a mais essa doença por ter um "DNA sobre-humano."

Uma sobrevivente

"Minha mãe é uma sobrevivente", diz a filha de Angelina, Joanne Merola, que lembra que sua mãe também já passou por outros percalços, como "abortos, sangramentos e o câncer."

Filha de imigrantes italianos, Friedman nasceu em 1918, em um navio que rumava para os Estados Unidos, num momento em que a Gripe Espanhola estava vitimando milhares de pessoas, mas ela escapou ilesa.

A mãe de Angelina morreu no parto, então ela e suas duas irmãs viveram com seu pai no Brooklyn. Tempos depois, Angelina se casou e, tanto ela quanto o marido, foram diagnosticados com câncer. "Ela sobreviveu, mas ele não", lembra Joanne.

Dia 21 de março, a idosa foi levada a um hospital para um procedimento médico e, ao fazer o teste para a covid-19, o resultado foi positivo para a doença. 

Depois de passar uma semana no hospital, foi mantida em isolamento até que, no dia 20 deste mês, novo teste mostrou que a idosa estava curada.

Sua filha não pôde encontrar a mãe durante o isolamento, nem mesmo ligar para ela, pois a idosa está surda. Mas mandou um recado para Angelina: "Segue em frente, mamãe. A senhora vai sobreviver a todos nós."