Jogadora de vôlei abre mão de final para salvar vida de desconhecida

Jurnee Farrell é líbero de time universitário e jogaria final de campeonato, mas escolheu doar suas células-tronco para ajudar uma mulher de 57 anos

Jurnee Farrel é líbero do time da Universidade de Howard

Jurnee Farrel é líbero do time da Universidade de Howard

Reprodução Instagram

O sonho de todo esportista é chegar a uma final e ser campeão. Certamente, Jurnee Farrel, líbero de 21 anos do time de vôlei da Universidade de Howard, em Washington, nos Estados Unidos, também deseja ganhar medalhas e virar uma superatleta.

Mas, a jovem não teve dúvida entre escolher salvar a vida de uma pessoa desconhecida ou jogar a decisão da Conferência Centro-Oeste de vôlei universitário. Ela optou por doar suas células-tronco a uma mulher de 57 anos, que sofria de um tipo de leucemia gravíssima e acompanhar seu time ser campeão pela televisão.

Jurnee no hospital depois de doar células-tronco

Jurnee no hospital depois de doar células-tronco

Reprodução Instagram

"Meu telefone tocou e eu nem pensei. Não é sempre que temos a chance de salvar a vida de alguém", explicou Jurnee ao um canal de TV norte-americano. O apoio de seu treinador, Shaun Kupferberg, foi um incentivo ainda maior. "Ele me disse: você vai fazer uma coisa muito maior do que o vôlei", afirmou a atleta.

Essa história começou em 2017 quando Farrel virou voluntária da "Be the Match", organização não-governamental que ajuda a encontrar pessoas dispostas a doar medula óssea para pacientes com leucemia.

No fim de novembro, a jovem foi avisada que era compatível com uma paciente que precisava de suas células-tronco para ajudar na melhora do câncer. Mas, a garota teria de ficar pelo menos dez dias sem jogar.

"Quando criança, meu pai trabalhava em um hospital infantil em Chicago. Eu cresci nesse ambiente e vi o que uma doação de órgãos ou de tecidos pode fazer por uma família. Claro que iria doar. Estava tentando salvar a vida de alguém. Eu tinha de fazer sacrifícios. Ok, valeu a pena", comemorou a líbero.

Treinador Kupferberg visitou Farrel em hospital

Treinador Kupferberg visitou Farrel em hospital

Divulgação Universidade Howard

Ao deixar o hospital, Jurnee agradeceu o apoio de amigos e familiares que a ajudaram e incentivou outras pessoas a doar. "Eu fui picada com um monte de agulhas, mas faria tudo de novo em um piscar de olhos. Encorajo mais pessoas da minha geração a doar. Essa jornada foi muito mais fácil do que eu pensava que seria, e espero que meu destinatário possa viver uma vida prolongada. Obrigado a todos os meus amigos, familiares e coordenadores da BTM que estiveram comigo durante esse processo."

Outra notícia boa é que o time de Howard foi campeão da Conferência do Centro-Oeste e vai disputar o NCAA, campeonato entre as melhores universidades dos Estados Unidos. Jurnee Farrel, é claro, está escalada para o torneio.

Jogador que entrega bola para mãe deficiente visual vai virar filme