Mães de crianças com deficiência compartilham desafios e conquistas

Márcia Rosinha, mãe do repórter Daniel Toco, contou detalhes do nascimento do menino, que não escondeu a emoção ao falar com ela

Heitor, de 4 anos chama sua agenesia do membro de "mão do amor"

Heitor, de 4 anos chama sua agenesia do membro de "mão do amor"

Reprodução/ Record TV

Na semana do Dia das Mães, mulheres que transformam as dificuldades em amor ao cuidarem de crianças com deficiência foram destaque no quadro Cidade Alegre, da Record TV.

Veja também: Fabricante de cosméticos cria fundo para apoiar revendedoras

Camila Salles é mãe de Heitor, 4, e desde sempre ensina para o filho um conceito diferente para agenesia do membro, ensinando o filho a chamá-la de "mão do amor", que dá poderes ao super herói que ele é.

Ela contou que soube da síndrome ainda na gravidez e quase entrou em depressão de tanto medo. Após o nascimento do menino, ela ficou por 40 dias no hospital até que voltou para casa.

"Quando saímos foi a parte mais difícil. As pessoas me julgavam, perguntavam se tinha sido remédio e eu não sabia o que responder. Foi uma síndrome, caso raro."

Além disso, Camilla destaca a importância dos pais explicarem para os filhos sobre o que é quando encontrarem alguem diferente, com alguma deficiência.

Diferente da mãe de Heitor, Márcia Rosinha descobriu essa "diferença" apenas no nascimento. Ela é mãe do repórter Daniel Toco e contou detalhes de como tudo aconteceu.

"Não saiu nada no ultrassom, chegou o momento de nascer e o médico disse: 'é um menino só que nós não vamos mostrar pra você porque ele nasceu com um probleminha na mão direita'. Me questionei o que seria da vida dele. Até que colocaram no meu colo e o toco não parava de se mexer. Foi quando pensei: 'ele vai ser muito feliz e não vai precisar do outro braço'", disse a mãe.

Por fim, o repórter não poupou elogios a ela, agradeceu por tudo e entregou flores em homenagem ao Dia das Mães neste domingo (11).

Assista à reportagem:

*Sob supervisão de PH Rosa