Marca de cosméticos doa cremes e cria 0800 para apoio psicológico

Empresa lança a campanha 'Você doa carinho, La Roche-Posay doa cuidado', distribuindo 14 mil cremes reparadores para profissionais de saúde

Marca criou central de atendimento para oferecer apoio psicológico a profissionais que atuam na linha de frente contra a covid-19

Marca criou central de atendimento para oferecer apoio psicológico a profissionais que atuam na linha de frente contra a covid-19

Divulgação

A marca francesa de cosméticos La Roche-Posay, atrelada, no Brasil, à L'Oréal Cosmética Ativa, está lançando uma campanha em prol dos profissionais de saúde que atuam na linha de frente do combate à pandemia de covid-19.

Intitulada de 'Você doa carinho, La Roche-Posay doa cuidado', a campanha doará mais 14 mil unidades de creme multirreparador, para ajudar a cuidar da pele de médicos, enfermeiros e demais trabalhadores da saúde. Nas embalagens, irão gravadas mensagens de carinho e apoio enviadas por consumidores especialmente para isso.

A marca criou ainda um canal 0800 para oferecer apoio psicológico a esses profissionais, tão impactados pela rotina pesada em meio à pandemia. A central ficará disponível 24 horas por dia, 7 dias na semana.

No início da quarentena, a La Roche-Posay já havia doado 6 mil produtos para diversos hospitais públicos, totalizando agora a entrega de 20 mil unidades.

Participação dos consumidores

Na atual campanha, o diferencial é a participação dos consumidores, que poderão enviar mensagens aos profissionais por meio de uma landing page criada no site do Dermaclub, que pode ser acessada aqui. Qualquer pessoa pode contribuir com um recado de apoio e agradecimento aos profissionais da saúde. As mensagens poderão ser enviadas até 30 de julho.

Para isso, basta se cadastrar no site e enviar a mensagem; a marca irá imprimir os recados nas embalagens dos cremes que serão doados, com custo zero para o consumidor. As doações serão oferecidas a 15 hospitais públicos do Rio de Janeiro, São Paulo, Ceará, Pernambuco, Bahia, Amazonas, Pará e Maranhão, a partir de 1º de agosto.