Virtz Mulher indígena ganha prêmio ambiental por proteger floresta

Mulher indígena ganha prêmio ambiental por proteger floresta

Depois de brigas judiciais, Nemonte Nenquimo conseguiu que petroleiras não perfurassem pelo menos 500 mil hectares de região com árvores e plantas

Nemonte conseguiu salvar parte de floresta no Equador

Nemonte conseguiu salvar parte de floresta no Equador

Reprodução/ Jeronimo Zuñiga, Amazon Frontlines

A líder indígena da Amazônia Nemonte Nenquimo, de 33 anos, ganhou o Prêmio Ambiental Goldman, a premiação mais importante do mundo para o ativismo ambiental, por conta do seu trabalho para salvar 500.000 hectares de florestas tropicais do Equador.

O Prêmio Goldman, fundado em 1989, vai para seis heróis ambientais e é concedido anualmente a ativistas de cada uma das seis regiões continentais habitadas do mundo.

A mulher liderou uma campanha indígena e uma ação legal que resultou em uma decisão judicial protegendo o território da tribo Waorani, que vivem naquela região da floresta amazônica, de empresas de petróleo. A liderança de Nemonte e o processo que ela fez acabou abrindo um precedente para os indígenas de outras tribos seguirem seus passos e protegerem áreas adicionais de floresta tropical.

A tribo Waorani foi para as ruas lutas pelos direitos de não se mexer na natureza

A tribo Waorani foi para as ruas lutas pelos direitos de não se mexer na natureza

Reprodução/Mateo Braga, Amazon Frontlines

Em 2018, o Ministro de Hidrocarbonetos do Equador anunciou um leilão de 16 novos contratos de petróleo localizados nas terras tituladas de nações indígenas.

Em resposta a isso, a indígena cofundou uma ONG para lutar contra as concessões de petróleo planejadas. Ela organizou comunidades, realizou assembleias regionais e lançou uma campanha digital visando potenciais investidores com o slogan “Nossa floresta tropical não está à venda”.

Em abril de 2019, os tribunais do Equador decidiram a favor de Waorani - uma decisão que foi mantida no tribunal de apelações.

Últimas