Entenda o que é enriquecimento ambiental e como essa prática é benéfica em abrigos para animais

Prática consiste em realizar estímulos físicos e mentais aos animais, que podem aliviar o estresse e melhorar o comportamento dos pets

Enriquecimento ambiental é benéfico para a saúde física e mental de cães e gatos

Enriquecimento ambiental é benéfico para a saúde física e mental de cães e gatos

Instagram/PremieRpet e Divulgação/ONG Catland

Quando se pensa em bem-estar animal, a alimentação, abrigo e saúde são os primeiros fatores a serem considerados. Além disso, o enriquecimento ambiental, uma prática ainda pouco conhecida pelos tutores, também é algo muito benéfico para os pets. “Trata-se de enriquecer o ambiente restrito e populoso dos abrigos, com recursos e atividades dinâmicas, complexas e interativas, cheias de desafios físicos e mentais, similares aos que os pets encontrariam na natureza, onde viveriam sem os nossos cuidados”, explica o médico veterinário Dalton Ishikawa, especialista em comportamento animal.

O conceito de enriquecimento ambiental está diretamente ligado ao manejo rotineiro de animais que vivem fora do seu ambiente considerado natural. Por isso, o enriquecimento ambiental é necessário também nos lares, depois da adoção, quando muitas vezes o animal passa horas sozinho em casa e sem estímulos físicos ou mentais.

VEJA MAIS: Manual de boas práticas na criação de animais de estimação

No dia a dia, o enriquecimento ambiental pode ser reconhecido nas seguintes práticas:

Alimentar
Nesse tipo de estímulo, o alimento é oferecido de maneiras diferentes, até mesmo de forma lúdica, para estimular o animal fisicamente e mentalmente. Um exemplo são brinquedos feitos em casa com garrafa plástica, em que o alimento é colocado dentro do objeto e, com isso, o animal se sente desafiado no momento do consumo.

Sensorial
No enriquecimento ambiental sensorial, o pet é estimulado com uma série de recursos para usar todos os seus sentidos, como olfato, paladar e visão, por exemplo.  Estímulos sensoriais podem ser feitos por meio brinquedos e outros desafios adaptados à idade e espécie de cada animal.

Físico
Consiste em um ambiente repleto de objetos e recursos onde o pet vive, que representem obstáculos, como lugares seguros para subir, que simulem proteção ou esconderijo. Essa prática estimula a capacidade criativa do animal, e o mantém ativo fisicamente.

Cognitivo
Nesse aspecto do enriquecimento ambiental, a ideia é estimular a capacidade intelectual do cão ou gato, incentivando-o a raciocinar, algo extremamente desafiador e prazeroso para eles. “A maioria das pessoas trata o cão ou gato como um ‘ser humaninho’, mas, por melhor que seja a intenção, facilitar a vida deles é um desserviço à sua saúde mental, pois evitando desafios, o tutor estimula indiretamente o animal a ter distúrbios de comportamento, porque o pet fica sem nada para fazer”, afirma Dalton.

Social
É quando se oferece ao cão a oportunidade de interagir com outros animais da mesma espécie ou de espécies diferentes. “Essa prática é muito rica, prazerosa e dinâmica para os animais, principalmente os ‘filhos únicos’, que raramente têm contato com outros animais”, completa.

O enriquecimento ambiental aumenta as chances de ter um animal mais sociável e de sucesso na adaptação após a adoção

O enriquecimento ambiental aumenta as chances de ter um animal mais sociável e de sucesso na adaptação após a adoção

Divulgação/Catland

A importância do enriquecimento ambiental nos abrigos

Quando muitos animais vivem juntos em um mesmo espaço, como nos canis e gatis, o enriquecimento ambiental é fundamental para amenizar o estresse.  Nos abrigos, os benefícios  também são significativos, pois além de possibilitar que o animal gaste energia, o enriquecimento ambiental  também pode ajudar na socialização, evitando brigas e facilitando a adaptação.

Gatos, por exemplo, formam colônias de 2 a 15 felinos e, muitas vezes, existem tensões passivas nesses espaços. “Os gatos mais possessivos, que brigam por mais recursos, seja uma caixa higiênica ou qualquer coisa mais valiosa para ele, ficará sondando o objeto. Só de existir essa tensão passiva, os gatos com menos estrutura ou temperamento mais dócil acabam inibidos e deixam de usar aquele objeto”, explica o médico veterinário. Por isso, os recursos de enriquecimento ambiental precisam ser bem distribuídos pelo espaço do abrigo.

Cães e gatos, entre outras espécies, são animais semicientes, ou seja, são capazes de sentir emoções de forma parecida com os seres humanos

Cães e gatos, entre outras espécies, são animais semicientes, ou seja, são capazes de sentir emoções de forma parecida com os seres humanos

Instagram/PremieRpet

Para o enriquecimento ambiental, a ONG Catland, que abriga cerca de 300 gatos, conta com a parceria do médico veterinário Dalton Ishikawa, que também atua na fabricação de brinquedos para pets e doa parte dos recursos necessários para um ambiente mais saudável aos gatinhos.

Além dele,  a ONG conta com o apoio de médicas veterinárias especializadas em comportamento animal, que acompanham a rotina dos gatos após a adoção. “Voluntários como eles fazem a engrenagem do bem trabalhar mais rápido em prol dos animais”, diz Perla Poltronieri, fundadora e presidente da Catland.

Parceria com o Instituto PremieRpet®

A Catland é uma das ONGs parceiras do Instituto PremieRpet®, braço social da PremieRpet®, que incentiva pesquisas e ações que visem promover saúde, qualidade de vida e longevidade dos animais. Entre suas diversas atividades, está o apoio a ONGs como a Catland.

PremieRpet®. Existimos para tornar a relação das pessoas com  os seus animais de estimação a mais próxima, prazerosa e longa possível.