Tutores compartilham histórias inspiradoras de adoções e contam que foram escolhidos pelos cães

A ONG MaxMello existe desde 2012 e já promoveu muitos encontros entre tutores e pets com finais felizes

O jovem Lucky conquistou seu espaço no coração da nova família

O jovem Lucky conquistou seu espaço no coração da nova família

Arquivo Pessoal

Muitas pessoas que visitam feiras de adoção ou abrigos inicialmente pretendem apenas conhecer os animais e entender como funciona o trabalho dos protetores. No entanto, alguns decidem adotar porque sentem que foram ‘escolhidos’ pelos animais. A ONG MaxMello, que abriga 480 animais, entre cães e gatos, recebe relatos frequentes dessas situações.

Desde 2012, quando a ONG foi oficializada, centenas de animais ganharam novos lares depois de uma longa avaliação por parte da organização, que preza pela adoção responsável. Como rotina, a MaxMello também acompanha o desenvolvimento do animal com seus novos tutores ao longo de vários meses, colecionando histórias de sucesso que merecem ser compartilhadas.

Uma dessas histórias é a de Lucky, um cão sem raça definida que encantou a assistente social Karina Marcondes, de 35 anos. Ela nunca tinha adotado um animal antes, mas conta que, um dia, seu marido tomou a decisão de ter um bichinho e juntos começaram a busca. Ela já conhecia o trabalho da MaxMello por meio de uma pessoa próxima e decidiu ir até a ONG. Assim que viu o Lucky, na época com 3 meses, quis adotá-lo imediatamente.

Karina passou pelo processo de avaliação dos tutores e soube que Lucky, seus irmãos e sua mãe haviam sido abandonados em um terreno. A mãe havia sido até mutilada. Karina comenta que o casal foi escolhido pelo cão. “Ele nos escolheu, tenho certeza, já estava preparado para nós. Ele é muito amado, já estava escrito, tinha que ser ele.”, diz a tutora, emocionada.

Atualmente, após mais de um ano juntos, Lucky está mais que adaptado à rotina da família. “Ele até dorme na cama, onde jurei que nunca iria dormir.”, brinca Karina. Entre todos os benefícios que o cãozinho trouxe à família, ela ressalta algo bastante pessoal “Tenho muitas crises de ansiedade, às vezes chegava do trabalho e me deitava, mas o Lucky faz tanta festa que nem dá tempo.”, explica. Atualmente, Karina não faz mais uso de medicação para suas crises.

O amor que cura as perdas

O pequeno Théo já é o xodó da família Oliveira

O pequeno Théo já é o xodó da família Oliveira

Arquivo Pessoal

Outra tutora completamente apaixonada pelo cãozinho que adotou na MaxMello é Adriane de Oliveira, de 46 anos, autônoma. A paulistana conta que há pouco mais de um ano sua filha ganhou um filhote que acabou morrendo por complicações de uma doença. Depois de investir muito para salvar o pequeno, a família viveu o luto, mas entendeu que adotar poderia fazer bem ao coração.

“Fomos a uma feira de adoção e havia muitos pets. Foi quase impossível escolher, mas sabe quando os olhos falam com o coração? Minha filha disse ‘mãe, é esse!’”. Foi assim que o pequeno Théo chegou à família.

A experiência de Adriane com a MaxMello foi bastante positiva. “Mesmo depois da adoção, eles vieram até minha casa para visitá-lo, trouxeram brinquedinhos para ele. Também nos presentearam com uma semana na escolinha de adestramento. Eu só tenho a agradecer!”, diz Adriane.

A chegada inesperada de Kaya

Luísa e Kaya tiveram uma conexão instantânea e são inseparáveis

Luísa e Kaya tiveram uma conexão instantânea e são inseparáveis

Arquivo Pessoal

A estudante Luísa Cupertino, de 19 anos, conta que adotar um pet era um desejo, mas não foi algo previamente definido em sua vida. Desde criança, ela já mantinha contato com o cachorro da avó, mas queria um para chamar de seu. Depois de convencer a mãe a conhecer uma das feiras da MaxMello, as duas ficaram apaixonadas pela pequena Kaya. “Minha mãe prometeu que iria à feira aberta e que se tivesse um cachorro com uma ligação, ela aceitaria.”, explica.

Mas Luísa garante que não foi até a feira com uma “cabeça de adotante”, e que foi escolhida por Kaya. “Eu sou contra a venda de qualquer tipo de animal, queria ter a experiência de adotar um cachorro, de saber que ele teve afinidade comigo e foi assim.”, lembra. Quando Kaya chegou, dentro de uma caixa de papelão, Luísa não teve dúvidas. “Era uma bolinha pretinha de pelos, toda medrosa. Foi ali. Meus olhos encheram de água.”, recorda. A mãe de Luísa também não resistiu aos encantos e aceitou a adoção.

A chegada de Kaya mudou totalmente o clima da casa. Luísa diz que, apesar do comportamento peralta, afinal trata-se de uma filhote, a família não consegue mais imaginar sua rotina sem ela. “A gente dá muita risada! Essa cachorra é muito engraçada! Ela mudou o astral para melhor aqui em casa.”, avalia.

Parceria com o Instituto PremieRpet®

A MaxMello é uma das ONGs parceiras do Instituto PremieRpet®, braço social da marca PremieRpet®, que incentiva pesquisas e ações que visem promover saúde, qualidade de vida e longevidade dos animais. Entre suas diversas atividades, está o apoio a ONGs como a MaxMello.

PremieRpet®. Existimos para tornar a relação das pessoas com os seus animais de estimação a mais próxima, prazerosa e longa possível.