Novo Coronavírus

Virtz Projeto Hope Shields une forças para a produção de máscaras 

Projeto Hope Shields une forças para a produção de máscaras 

Com apoio do Rotary de Santos-Porto, a Universidade Santa Cecília (Unisanta) está produzindo máscaras de proteção de rosto no InovFabLab

Máscaras estão sendo produzidas no laboratório de inovação tecnológica e criatividade

Máscaras estão sendo produzidas no laboratório de inovação tecnológica e criatividade

Divulgação

A Universidade Santa Cecília (Unisanta), em Santos, está produzindo máscaras de proteção de rosto no InovFabLab, o laboratório de inovação tecnológica e criatividade da Universidade. O projeto, batizado de Hope Shields, é realizado em parceria com o Rotary Club de Santos-Porto e Rotary Club Satélite de Santos-Porto.

A ideia veio de Caroline Teixeira, diretora de Saúde da Unisanta e presidente do Rotary Club de Santos-Porto, e Gianluca Giuliani, presidente do Rotary Club Satélite de Santos-Porto Empreendedorismo. “Sou fisioterapeuta e já atuei em hospitais e UTIs e, vendo toda essa atuação dos profissionais em hospitais, quis colaborar com a produção de mais equipamentos de segurança. Juntei minha ideia com a do Gianluca, que também já vinha pensando em como colaborar com a COVID-19, então, decidimos começar os testes dos protetores”, explica Caroline Teixeira.

O Equipamento de Proteção Individual (EPI) é muito utilizado por profissionais da Saúde que atuam no tratamento de pacientes com o novo coronavírus e está em falta no mercado. “Os protetores conseguem cobrir todo o rosto do profissional que os usa, garantindo uma proteção extra, além das máscaras e óculos que já utilizam no dia a dia, evitando, desta forma, a contaminação desses profissionais que atuam diretamente com o paciente infectado”, descreve Caroline Teixeira.
O lote inicial de 210 EPIs será doado para hospitais da Baixada Santista.
 

O lote inicial de 210 EPIs será doado para hospitais da Baixada Santista

O lote inicial de 210 EPIs será doado para hospitais da Baixada Santista

Divulgação

“Conversei com o médico responsável pela ala da COVID-19 do Hospital Guilherme Álvaro, Dr. Carlos Thomé, para que ele possa passar algumas informações médicas sobre os protetores e também validar o protótipo dos nossos testes para utilização nos hospitais da região. Após homologação médica, faremos uma quantidade para lote inicial de 210 protetores para doação aos hospitais que solicitam demanda na região. Estou em contato com a Secretaria de Saúde de Santos para que possa estar alinhada nesse encaminhamento e demanda."

Até o dia 24, o primeiro lote deverá ser entregue.  Segundo Caroline Teixeira, há um grupo de voluntários do Rotary Club de Santos- Porto e Rotary Club Satélite de Santos-Porto Empreendedorismo que estão participando de toda a produção e, quando pronta, ajudarão na embalagem dos produtos para envio aos hospitais.

“Faremos um kit com o protetor, manual de higiene e utilização do protetor e estamos tentando doação de álcool em gel para que possamos mandar juntamente com o kit”, explica.

O equipamento é produzido em acrílico e acetato, materiais que não retêm bactérias e vírus e que podem ser facilmente higienizados com álcool e detergente. Existe alta tecnologia para a confecção – impressora 3D e cortadora a laser. “A intenção é criar alternativas de custo mais acessível, com materiais adaptados às nossas condições. Os Face Shields estão sendo criados no mundo inteiro”, explica Sérgio Schina de Andrade, gerente do laboratório InovFabLab e professor de engenharia de computação da Unisanta.

Últimas