Sem emprego, diarista recebe ajuda e mantém alimentação da filha

Jane Martins Nunes conseguiu uma vaga na escola mantida pelo Projeto Nova Canaã, no sertão; apoio é bem-vindo, pois ela não consegue trabalho

Jane Martins Nunes trabalha como faxineira, mas não consegue emprego por causa da pandemia e conta com a ajuda do Projeto Nova Canaã

Jane Martins Nunes trabalha como faxineira, mas não consegue emprego por causa da pandemia e conta com a ajuda do Projeto Nova Canaã

Divulgação/ Projeto Nova Canaã

A pandemia do novo coronavírus atingiu em cheio a rotina da diarista Jane Martins Nunes, de 38 anos. Acostumada a trabalhar em casa de família, Jane tinha acabado de conseguir trabalho quando a covid-19 obrigou todo mundo ao isolamento social. "Eu estava há um mês e uma semana na casa da patroa, mas ela me disse para não ir mais por causa da pandemia", conta Jane.

Com uma família grande, de quatro filhos, a doméstica mora em uma pequena casa no sertão nordestino com o marido e três filhas - uma delas, a mais velha, de 18 anos, preferiu morar na casa da avó, por não se dar bem com o padrasto.

Já Sofia, de 4 anos, conseguiu, neste ano, uma vaga para estudar numa das escolas mantidas pelo Projeto Nova Canaã, que se ocupa em apoiar famílias em situação de vulnerabilidade social. E esse auxílio do projeto não poderia ter vindo em melhor hora, pois está faltando muita coisa na casa de Jane.

Veja como o Projeto Nova Canaã auxilia crianças e famílias carentes

"A geladeira queimou, às vezes faltam as coisas. Sem trabalho, sem nada, fica ruim.
Quando compro carne, tenho de cozinhar no feijão ou cozinhar normal, porque senão estraga", diz ela. "A gente faz o que pode para dar o arroz e o feijão, mas eles sentem falta de outras coisas em casa."

Além de apoiar a menina Sofia nos estudos, a equipe do Nova Canaã está sempre em contato com a família para entregar cestas básicas e frutas, não apenas para Sofia, mas para todos da casa. “Ela disse que sente saudade da escola, sente falta do almoço de lá porque tem frutas, tem lanche. E eu não consigo comprar", emociona-se.

Dificuldades na moradia

A casa própria de Jane foi dada pelo pai, já idoso, que comprou o terreno e construiu a moradia, de apenas dois cômodos. Por isso, alguns precisam dormir na sala. "Tem dois quartos só, uma cama na sala. Tem banheiro, mas não tem caixa d'água, só tem o vaso e o chuveiro é simples, frio. Para dar descarga no banheiro é com balde", explica a diarista.

Para garantir que não falte água em casa quando a torneira seca, ela mantém um tonel sempre cheio, para as coisas do dia a dia, e água em garrafas para cozinhar. Com os pais idosos e sem apoio dos parentes, Jane agradece pela ajuda prestada pelo projeto, especialmente em relação à educação de Sofia e à alimentação.

"É muito bom ela estudar lá, as pessoas do projeto se preocupam com a situação da gente, eles vieram aqui, trouxeram a feira pra ela, mesmo não tendo aula. Perguntaram se tinha maçã ainda, eu falei que não", diz ela, muito emocionada. "A Sofia fala que vai estudar na Canaã, aprender a cozinhar e ser cozinheira. Espero que essa pandemia passe logo para a escola voltar a funcionar."

SOS Famílias do Sertão

Além de prestar auxílio às famílias em situação de vulnerabilidade, no início deste mês o Projeto Nova Canaã lançou a ação SOS Famílias do Sertão. A campanha pretende estender a ajuda social promovida para famílias do sertão nordestino, especialmente aquelas que estão passando por dificuldades por conta da crise causada pela covid-19.

A meta da campanha é ajudar mais de 500 famílias carentes. Clique aqui para fazer sua doação.