Valorizar pequenos feitos é tão importante quanto ser produtivo

A cobrança por produtividade na quarentena tem gerado ansiedade em algumas pessoas. Entenda por que vale a pena superar esse sentimento

Gratidão pelas coisas simples e focar em si mesmo são segredo de bem-estar

Gratidão pelas coisas simples e focar em si mesmo são segredo de bem-estar

Andrea Piacquadio/Pexels

A nova realidade imposta pela pandemia da covid-19 trouxe mudanças na rotina e algumas cobranças, entre elas a da produtividade. Nas redes sociais, somos bombardeados por publicações de pessoas se exercitando em casa, fazendo um curso, aprendendo a cozinhar. 

Ser superprodutivo parece ter virado obrigação na quarentena. Mas, em vez de sentir-se mal por não ter dominado as técnicas de fazer pão em casa, que tal celebrar as pequenas conquistas do dia a dia?

A psicóloga Larissa Polejak explica que agora não é o momento de cobrar grandes realizações. "Nosso esforço e energia têm de estar voltados em ficarmos bem", indica. Para isso, ela explica que é necessário olhar para si mesmo. "Prestar atenção em nós e no que estamos sentindo, como estamos vivenciando o momento. Isso é acolhimento."

Quando isso acontece, o indivíduo percebe que as pequenas conquistas têm um enorme valor, afirma a psicóloga. E a ciência explica por quê.

Gratidão e conquistas diárias

Em uma pesquisa da Universidade de Indiana, nos EUA, voluntários tinham de escrever cartas de gratidão diárias por coisas simples do dia a dia. Três meses depois, foram submetidos a exames de imagem do cérebro. O estudo mostrou que a escrita sobre gratidão foi associada a uma sensibilidade neural significativamente maior e duradoura. 

"Viu-se que o sistema de recompensa estava mais ativo nos cérebros dos voluntários que fizeram o treinamento de expressar gratidão. Essas pessoas passaram a ser muito mais felizes e gratas pela vida", explica a neurocientista e professora da UFABC (Universidade Federal do ABC) Vera Paschon.

Vera explica que o cérebro é como um músculo: quanto mais se exercita a gratidão, mais feliz a pessoa será. Assim, as conquistas do dia a dia tornam-se muito mais fáceis de serem reconhecidas.

"A gratidão também estimula a liberação de hormônios como a ocitocina, que ativa o sentimento de afeto e tranquilidade, reduzindo a ansiedade e o medo. Ela também melhora o sistema imunológico do nosso organismo, ajuda a controlar a depressão, promove o bem estar e fortalece as relações afetivas", explica.

Vida real

"Tudo foi transformado de uma hora pra outra. Eu tive crise de ansiedade, síndrome do pânico. E chorei muito", conta a fotógrafa Mônica Martins da Silva, de 33 anos, sobre o isolamento social. Ela, que sempre foi muito ativa, diz que se permitiu não fazer nada na quarentena. "Eu não queria ter essa pressão."

E foi respeitando suas emoções que ela conseguiu lidar com o isolamento sem se cobrar. "Procuro fazer coisas que me deixam bem. Ouço podcasts, escrevo, me maquio". Dessa forma, Mônica aprendeu viver no cotidiano da quarentena e controlar as cobranças e a ansiedade.

"Tem dias bons e ruins. É preciso dividir as emoções durante o dia e tentar não se entregar aos dias ruins. É saber que eles vão embora. Assim, vamos tentando nos adaptar a esse 'novo normal'", pondera.

Como lidar?

"É muito importante frisar que nossa dinâmica de vida mudou. Antes, tínhamos as conquistas fora de casa, fora de nós. Agora precisamos procurar espaços dentro da gente", explica a psicóloga Vitória Mércia.

Procurar fazer algo que pode não servir para outras pessoas, mas nos faz bem - e não sentir culpa por isso - é uma das saídas. De acordo com a especialista, olhar para si e fazer o que tem vontade é a melhor opção.

E nada de se comparar com os outros. "Focar em nós já é uma conquista", observa. Seja aprender um idioma, cozinhar, fazer uma atividade física, ler um livro ou ouvir uma música que goste: realizar qualquer atividade que faça bem é uma vitória do dia.

"Quando é algo que faz sentido para a gente e tem prazer envolvido, há mais chances de conseguirmos realizar um projeto, independente de qual for", diz Vitória.