Voluntários fazem festa de Natal para crianças com câncer em SP

Teve mesa com comidas, presentes e Papai Noel. Os pequenos em tratamento e os pais tiveram um momento de esperança e confraternização

Enquanto recebia medicação, Maria Clara ganhou boneca do Papai Noel

Enquanto recebia medicação, Maria Clara ganhou boneca do Papai Noel

Joyce Ribeiro / R7

Uma mesa farta com tudo aquilo que criança gosta: brigadeiro, beijinho, bolo de chocolate, sanduíches, empada, esfiha, refrigerante e panetone, afinal, é Natal! A ceia foi providenciada pelos voluntários do GRAACC (Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer), que é referência no tratamento do câncer infantojuvenil. 

Com músicas natalinas, a quimioteca, um espaço lúdico desenvolvido para oferecer conforto a crianças enquanto recebem as medicações, foi adaptada para a ceia. Brinquedos e comidas ocuparam as bancadas.

Leia mais: Após carta de Natal, menino recebe a visita de policiais

Maria Cecília Serino de Carvalho tem 6 anos e passou o Natal com a mãe e o irmão João Lucas, de 4 anos, que há 9 meses está em coma. Apesar da internação, Maria aproveitou a festa: "foi muito divertido, fiquei com meu irmãozinho, fui dormir 2h da madrugada e ganhei uma boneca do Papai Noel".

A mãe Tamires Cristina Serino conta que este é o 3º ano que ela passa as festas longe de casa. A família é de Pernambuco. O filho tem um tumor super agressivo no cérebro e luta pela vida, apesar de já ter sido desenganado. "Eu acredito em Deus e Ele pode todas as coisas. Meu filho está se desenvolvendo, está gordinho, é como se estivesse dormindo. Eu creio em um milagre na vida do meu filho", revelou Tamires.

A festa foi idealizada para que as crianças, que não puderam ter alta, pudessem aproveitar a data e tivessem a oportunidade de curtir um momento de felicidade.

Veja também: Morador de rua monta sala embaixo de ponte para "compartilhar paz"

Jéssica Fragata da Silva é mãe da Laura, de 1 ano e 7 meses. A criança tem um tumor cerebral e se divertiu tocando o sino do Papai Noel. A mãe, que é de Francisco Beltrão, no Paraná, está longe da outra filha Julia, de 4 anos. "Coração aperta, mas aqui é o melhor lugar para a Laura. Eu não sabia dessa festa, mas achei muito bonito, acolhedor pra gente que está numa situação difícil", contou Jéssica.

Chegada do Papai Noel na quimioteca do hospital é aguardada por Alma

Chegada do Papai Noel na quimioteca do hospital é aguardada por Alma

Joyce Ribeiro / R7

"Fazer o bem faz bem"

Maurício Folco é o Papai Noel do GRAACC há 13 anos e nesta quarta-feira (25) não foi diferente. Ele recebeu sorrisos das crianças que recebiam medicação na veia e estavam em tratamento. A pequena Alma, que é da venezuela, esperou ansiosa pela chegada do bom velhinho. "Vir aqui no dia 25 faz toda a diferença. Olhe, quase todo mundo desaparece", disse. 

Depois de tirar fotos e entregar presentes, ele fazia questão também de abraçar os pais e dizer que "é em função de vocês que estou aqui, vai dar tudo certo". Maurício coordena 86 voluntários do setor de quimioterapia e nunca deixou de se emocionar: "o dia que a gente não se emocionar mais aqui dentro, o voluntário não serve mais porque aqui a gente chora junto, ri e festeja com as mães".

Leia ainda: Aplicativo “São Paulo Mais Humana” conecta doadores a ONGs carentes

Simone Borges dos Santos não conteve as lágrimas. A filha Mary Fernanda, de 8 anos, tem leucemia e fez um transplante no dia 6 de novembro. As duas estão distantes há 3 meses do restante da família, que ficou em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul.

A mãe afirmou que "fé e medo andam lado a lado". E completou: "hospital é sempre ruim, mas ações como essa fazem a gente dar uma viajada e, por uns momentos, a gente esquece que está no hospital no Natal. A gente precisa de um abraço". Simone está em um abrigo e deve deixar São Paulo em fevereiro.

Cindy Daniel Brito Augusto é coordenadora da área de apoio à assistência do GRAACC e conta que participa do Natal na instituição há 10 anos. "A gente faz tudo e a sensação é a melhor possível. Muita gratidão. Me sinto bem em estar com as crianças e as mães, sair um pouco do nosso mundinho. Isso não tem explicação e não tem preço", finalizou a voluntária. 

Veja também: Projeto capacita profissionais de turismo a atender crianças autistas

As crianças também receberam a visita do Doutor Tartaruga, um personagem criado para alegrar os pequenos. Janaína Brandi é voluntária no projeto "Tartarugas do Bem" e explica o significado da data: "Natal a gente comemora com amor. Doar amor é o mais importante. Fazer o bem faz bem. A gente faz isso com o coração, este é o verdadeiro sentimento do Natal".

A voluntária é representante comercial, mas trabalha sempre com crianças com câncer. Ela tem dois filhos: de 13 e 10 anos, e doa seu tempo no projeto: "o brincar é um remédio, a criança vibra em outra energia e o amor cura".

Amor que não se mede

Cintia Liliane Vila Nova mora em Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo, e é mãe de Symon Styven, de 1 ano e 4 meses. Ele é adotivo, mas ela acompanhou até mesmo o nascimento da criança. Symon tem um câncer do fígado, que reapareceu depois de 6 meses do fim da quimioterapia. A única opção agora é um transplante.

A mãe tem outros 3 filhos de 22, 18 e 16 anos e sai 3h30 da madrugada de casa para ir até a sede do GRAACC. Ela passa o dia inteiro fora para o tratamento do filho: "vivo de ajuda. Abandonei 17 anos de empresa porque eu preciso ficar com ele o tempo todo. A família sofre junto".

Veja ainda: Adolescente cria aplicativo para ajudar a avó com Alzheimer

O garotinho é um guerreiro, já teve AVC (Acidente Vascular Cerebral), 5 choques sépticos, fez diálise, perdeu alguns movimentos, mas já está se recuperando. "Eu carrego o troféu do milagre porque aqui ele é conhecido como ´leãozinho´ pela garra que ele tem de viver", diz emocionada.

Antes do meio-dia, a maioria dos pacientes foi para casa com a família, numa breve pausa no tratamento, mas nesta quinta-feira (26) a luta contra a doença continua.