Vovó Surin, uma das heroínas contra o coronavírus na Tailândia

Surin Makradee vai quase todos os dias de porta em porta no vilarejo em que mora, visitando as casas para combater a pandemia de covid-19

Surin tem 77 anos, mas a idade não a impede de atuar como voluntária no vilarejo onde mora, na Tailândia, no combate ao novo coronavírus

Surin tem 77 anos, mas a idade não a impede de atuar como voluntária no vilarejo onde mora, na Tailândia, no combate ao novo coronavírus

Reuters/Athit Perawongmetha

Aos 77 anos, Surin Makradee vai quase todos os dias de porta em porta em seu vilarejo na Tailândia, visitando as casas para checar a temperatura das pessoas, uma rotina repetida em comunidades de todo o país durante a pandemia de coronavírus.

'Vovó' Surin é considerada uma das 'heroínas anônimas' de seu país, pelo trabalho voluntário que realiza diariamente. 

"Meu nome é Surin Makradee. Tenho 77 anos. Eu vivo na província de Ang Thong e tenho trabalhado como voluntária de saúde do vilarejo há 38 anos."

Em sua motocicleta, mesmo com a idade avançada, vovó Surin vai de porta em porta quase diariamente para checar os vizinhos. "Este é o trabalho voluntário do qual eu me orgulho muito, mesmo que eu não receba nenhum dinheiro. Sou abençoada por as pessoas admirarem o meu trabalho", diz ela.

Os voluntários de saúde dos vilarejos são uma iniciativa do período da Guerra Fria para ajudar as comunidades rurais. Até a Organização Mundial de Saúde (OMS) já os elogiou por seu sucesso nesse trabalho voluntário que realizam.